As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos.

G1 - http://g1.globo.com/
10/09/2018
Monitoramento e feito em area incendiada de parque estadual em Uberlandia

Monitoramento é feito em área incendiada de parque estadual em Uberlândia
10/09/2018 16h30

Por Caroline Aleixo, G1 Triângulo Mineiro

Rescaldo é feito após novo foco registrado neste domingo (9); suspeita é que tenha sido criminoso. Boletim de ocorrência será registrado.

Após registrar um novo foco de incêndio no Parque Estadual do Pau Furado em Uberlândia e controlar as chamas, equipes do Corpo de Bombeiros e brigadistas seguem no local nesta segunda-feira (10) para monitoramento da área e rescaldo.

A assessoria de comunicação do Sistema Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Sisema) informou que são observadas as cinzas que ainda contém brasa para evitar que novas queimadas se iniciem. A área atingida ainda não foi estimada.

O incêndio ocorreu na região do Assentamento Vida Nova próximo à barragem de Capim Branco. A gerência da unidade de conservação irá registrada um Boletim de Ocorrência junto à Polícia Militar (PM) para que as causas do incêndio sejam investigadas posteriormente pela Polícia Civil. Há indícios de que tenha sido criminoso.

Combate a incêndios
Na última sexta-feira (7), um incêndio de grandes proporções foi registrado em uma fazenda localizada ao lado da reserva, atingindo cerca de 20 hectares. O segundo registro foi neste domingo na área leste do parque. As ocorrências dessa natureza voltam a ocorrer depois de um ano que cerca de 300 hectares foram devastados pelo maior incêndio da história da unidade.

O Sisema informou que, quando um incêndio é detectado dentro de uma unidade de conservação, a base operacional do Programa de Prevenção e Combate a Incêndios Florestais (Previncêndio) do Estado, que fica em Curvelo, é comunicada.

Dessa forma todos os órgãos envolvidos, além de brigadistas voluntários, são acionados para uma força-tarefa de combate ao incêndio. No ano passado os trabalhos também contaram com o apoio de militares do Exército.

Se for necessário, a gerência da unidade de conservação ainda solicita apoio de aeronaves. Os trabalhos são realizados em esquema de rodízio entre os brigadistas até que o incêndio seja totalmente debelado.

Durante o chamado período crítico, entre junho e dezembro, é mantido um plantão diário nas salas de atendimento da Força Tarefa Previncêndio que fazem a gestão das informações sobre todas as ocorrências de incêndio florestal em andamento nas unidades de conservação estaduais, coordenando as ações de apoio aos principais combates ou àqueles com maior risco de expansão e geração de danos ambientais.

https://g1.globo.com/mg/triangulo-mineiro/noticia/2018/09/10/monitoramen...