As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos.

G1 - http://g1.globo.com/
24/08/2018
Maranhao chega ao 2o lugar no ranking de estados com maior numero de queimadas

Maranhão chega ao 2o lugar no ranking de estados com maior número de queimadas
24/08/2018 10h13

Por G1 MA, São Luís

Segundo o Inpe, de janeiro de 2018 até o momento já foram identificados 4.062 focos de incêndio no estado.

Maranhão chega ao 2o lugar no ranking de estados com maior número de queimadas

O Maranhão chegou ao segundo lugar no ranking dos estados brasileiros com o maior número de focos de queimadas, segundo o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe). De janeiro de 2018 até o momento já foram identificados 4.062 focos de incêndio no estado.

Segundo o Inpe, o Maranhão fica atrás apenas do estado do Mato Grosso que tem mais de 7.300 focos. Nas regiões sul e sudoeste do estado as queimadas ameaçam também reservas indígenas e áreas de proteção ambiental. Por isso, a vigilância e prevenção são fundamentais para evitar o registro de queimadas.

De acordo com o Instituto, os municípios de Mirador e Balsas estão incluídos entre os dez do Brasil com o maior número de queimadas. Em Mirador, onde existe um parque estadual com mais de 437 mil hectares, foram registradas 409 ocorrências neste ano. Já na cidade de Balsas, que concentra as maiores plantações de soja, milho e algodão do estado, são 383 focos de queimadas.

O gerente de fazenda, Almar Peruzzo, diz que durante o período de entresafra os agricultores reforçam a vigilância para proteger a palhada do fogo e evitar prejuízos na próxima safra. "A gente sofre tanto para ter essa palhada porque a palhada é uma riqueza no solo e é prejuízo enorme o fogo destruir a palhada de uma lavoura", explicou.

Em Carolina, a 860 km de São Luís, brigadas de incêndio também estão de prontidão no Parque Nacional da Chapada das Mesas, onde há uma área de 160 mil hectares em pleno cerrado. A queima controlada feita no início do período de estiagem conseguiu reduzir para quase zero o número de queimadas nos meses de julho e agosto, período mais crítico na região.

https://g1.globo.com/ma/maranhao/noticia/2018/08/24/maranhao-chega-ao-2o...