As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos.

ICMBio - http://www.icmbio.gov.br/
25/09/2015
Compromisso e mobilizacao em defesa das UC

Envolvimento de gestores de Unidades de Conservação (UCs), incentivo à mobilização e maior aproximação com as reservas particulares de proteção à natureza foram alguns dos objetivos, segundo a Fundação Grupo Boticário de Proteção à Natureza, alcançados com a realização do VIII Congresso Brasileiro de Unidades de Conservação (CBUC), em Curitiba (PR), que chegou ao fim nesta sexta (15).

O analista de projetos ambientais da Fundação organizadora do CBUC, Robson Capretz, fez um balanço positivo sobre o evento. "Tivemos um grande envolvimento dos gestores das unidades de conservação, contando, inclusive, com o Ministério do Meio Ambiente (MMA) e o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) como grandes parceiros. Foram pelo menos 200 servidores, desses dois órgãos, participando do Congresso"

O envolvimento dos gestores das UCs federais resultou em importantes trocas de experiências que devem impactar de forma bastante positiva no dia a dia das unidades. É o que afirma o Chefe do Parque Nacional (Parna) da Serra da Bocaina, Francisco Livino. "Além de palestras muito boas e de um simpósio sobre fauna excelente, tive a oportunidade de realizar bons contatos, bastante estratégicos com outros gestores, nos eventos paralelos, que, com certeza geraram bons frutos".

Segundo Robson Capretz, pelo menos metade dos participantes do evento estão ou já estiveram envolvidos diretamente na gestão de unidades de conservação. Para ele, o objetivo de mobilizar cada vez mais pessoas também foi cumprido pelo VIII CBUC. "Tivemos palestras extremamente motivadoras, com tom voltado para mobilização, como foi o caso da explanação do cineasta Fernando Meirelles, por exemplo, que sentimos ter surtido muito efeito no público presente", comemorou.

O representante da Fundação Boticário também enfatizou o avanço do VIII CBUC no que se refere a uma maior aproximação com as reservas particulares do patrimônio natural (RPPN). "Os simpósios mais voltados para o público das RPPNs também foram o diferencial do evento deste ano. Recebemos, inclusive, um feedback (retorno) muito importante de contentamento por parte dos proprietários dessas áreas".

Painel de encerramento

No painel de encerramento, foram realizadas duas conferências acerca do tema "Colocando em prática: o papel de cada um". Na primeira delas, o economista e ambientalista Sérgio Besserman Viana, ex-presidente do IBGE e atualmente professor da PUC-RJ e comentarista de meio ambiente da Globonews, falou sobre as infinitas possibilidades em um mundo de recursos finitos e alertou o público para dados preocupantes.

"Dentro de duas ou três décadas, um dos nossos principais problemas será o consumo. Teremos que produzir para alimentar cerca de 12 bilhões de pessoas. Outro limite será imposto pelas mudanças climáticas e, por fim, ainda teremos lidar com os danos à biodiversidade. De acordo com as previsões, nós vamos extinguir, nas próximas décadas, de 20% a 30% das espécies da biodiversidade. Portanto, é preciso que continuemos nossa luta".

Na segunda conferência, a ex-senadora, ex-ministra do Meio Ambiente e candidata à Presidência da República nas últimas eleições, Marina Silva, abordou o tema "Inspirações para a conservação da natureza". Ela relembrou seu esforço no governo federal para a criação de unidades de conservação e chamou atenção para a mudança da postura entre os chamados desenvolvimentistas e ambientalistas.

"Hoje, eles (os desenvolvimentistas) estão pedindo aos ambientalistas que façam alguma coisa pelo desenvolvimento. A coisa se inverteu. Em São Paulo, estão pedindo que os ambientalistas façam algo pelo desenvolvimento sem que a água acabe, e nós temos que ter uma postura acolhedora. Depois do "eu te disse" precisamos nos unir. Esse é o momento".

Depois dos dados preocupantes apresentados pelo economista Sérgio Besserman, Marina encerrou sua apresentação com uma mensagem de incentivo e esperança. "Aprendi que utopia e sonhos podem ser transformados em ações práticas e reais. Quero ser mantenedora de sonhos e de utopias, até porque o que seria da proteção de ecossistemas se não fossem os sonhadores?".

O VIII CBUC em números

De 21 a 25 de setembro, o VIII Congresso Brasileiro de Unidades de Conservação discutiu temas como mobilização, engajamento, plataformas colaborativas e estratégias de comunicação, em quatro painéis principais. Também foram realizados treze simpósios, com os mais variados temas, entre eles, proteção de terras privadas, fortalecimento de RPPNs, políticas públicas, adaptação baseada em ecossistemas e impactos das mudanças climáticas na biodiversidade.

No total, 167 trabalhos técnicos, que serão disponibilizados no site do evento a partir do dia 26 de setembro, e mais de 40 moções foram apresentados. Este último dado significou um recorde para o CBUC. Ainda de acordo com a organização, cerca de 1.200 inscritos participaram do Congresso.

Na V Mostra de Conservação à Natureza, que ocorreu em paralelamente ao CBUC, pelo menos 15 instituições públicas e não-governamentais apresentaram seus projetos e ações, entre elas, MMA, ICMBio, Ministério Público Federal (MPF), Ministério Público Estadual do Paraná (MPE), Polícia Florestal, Secretaria do Meio ambiente e Recursos Hídricos do Paraná, Imaflora, WWF Brasil, Conservação Internacional (CI), Confederação Nacional das Indústria (CNI) e Sociedade de Pesquisa em Vida Selvagem e Educação (SPVS), entre outros.

http://www.icmbio.gov.br/portal/comunicacao/noticias/4-destaques/7022-co...