As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos.

G1 - http://g1.globo.com/
29/08/2018
Avanco do mar divide ilha, extingue enseada e 'engole' 1 km do estado de SP; video

Avanço do mar divide ilha, extingue enseada e 'engole' 1 km do estado de SP; vídeo
29/08/2018 05h13

Por José Claudio Pimentel, G1 Santos

Processo natural de erosão, que ocorre há 60 anos, culminou na abertura de novo acesso ao oceano na divisa com o Paraná. Vilarejo com 15 famílias foi isolado e ecossistema deverá ser alterado.

Moradores flagraram quando mar avançou sobre enseada em Cananéia, SP

Um canal de 170 metros de largura e 3 metros de profundidade dividiu em duas a Ilha do Cardoso, no extremo sul do litoral de São Paulo. Pesquisadores estimam que em um mês, a nova barra, que conecta o Estuário de Ararapira ao Oceano Atlântico, atinja um quilômetro de extensão, alterando o ecossistema costeiro e isolando por via terrestre 50 moradores.

O processo natural de erosão (movimento de sedimentos pela corrente da água) ocorre há 60 anos no entorno da Enseada da Baleia, que começou a ser extinta em definitivo na segunda-feira (27) em decorrência de uma ressaca marítima. A largura da faixa de areia já mediu 80 metros e, na última década, foi reduzida a menos de 2 metros.

Acadêmicos e estudantes do Departamento de Geologia da Universidade Federal do Paraná (UFPR) alertaram, em 2009, sobre o possível desfecho do fenômeno para este ano. "Projetamos, com base em imagens de satélite, o avanço da erosão. A abertura [da barra] foi ao final dessa janela tempo e deve ser concluída em setembro, quando terá um quilômetro", explica a professora Maria Cristina de Souza.

Segundo Maria Cristina, trata-se de uma ação da natureza que o homem, desta vez, não teve interferência. "A dinâmica daquela região é instável, da água do estuário avançando para o mar. No passado, já ocorreram outras aberturas e acreditamos que, em breve, ocorrerá o assoreamento [deposição de sedimentos] na antiga barra, na divisa com o Paraná".

A agitação marítima desta semana, ocasionada pela passagem de uma frente-fria na costa dos dois estados, resultou no esperado encontro do estuário com o oceano. Entretanto, uma ressaca ainda mais intensa em 2016 já havia motivado a criação de um plano de emergência pela Defesa Civil e a mudança das casas de 15 pescadores que viviam ali.

O gestor do Parque Estadual Ilha do Cardoso, Edison Nascimento, também afirma que o fenômeno erosivo é natural e é acompanhado pela Fundação Florestal e pelo Instituto Geológico, ambos subordinados à Secretaria de Meio Ambiente de São Paulo. "O que era esperado, finalmente aconteceu. E agora vamos avaliar os reais impactos ao ecossistema".

Nascimento concorda com a pesquisadora da UFPR sobre as alteração das dimensões iniciais da nova barra para as próximas semanas, quando deverá ocorrer o equilíbrio daquele ambiente. Foi a equipe dele que constatou o comprimento e a profundidade iniciais, na terça-feira, durante uma vistoria em uma embarcação, com equipes da Defesa Civil.

O gestor afirma que não correm riscos as 50 pessoas que vivem no Pontal do Leste, uma vila no extremo sul da "nova" ilha, na divisa com o Paraná. "Por terra, não tem como chegar mais até elas. Entretanto, todas as 15 famílias que moram naquela comunidade se movimentam de barco, são autossustentáveis e já estão acostumadas às distâncias da região".

Início da abertura da nova barra foi flagrada durante ressaca do mar em Cananéia, SP
Em Cananéia, o secretário de Meio Ambiente Erick Willy Weissberg, afirma que a administração muncipal está pronta para agir se a situação fugir do controle nas próximas semanas. "As pessoas que vivem ali estão seguras, conforme temos triangulado as informações. Só poderemos ter a certeza do que vai acontecer ao final da abertura da barra".

O traçado original do Canal de Ararapira, até então, fazia a divisa entre os estados, e o parque paulista com o Parque Nacional de Superagüi, no Paraná, administrado pelo Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio). Mesmo com a nova disposição da área, se confirmada, os limites são mantidos e as referências passam a ser virtuais, por coordenadas.

"A equipe do Parque Nacional do Superagui irá estabelecer contato com os pesquisadores (geólogos da Universidade Federal do Paraná) para que seja possível avaliar possíveis impactos do processo erosivo e adotar eventuais medidas que se façam necessárias", declarou o ICMBio, por meio de nota, nesta quarta-feira.

https://g1.globo.com/sp/santos-regiao/noticia/2018/08/29/avanco-do-mar-d...